Coluna do Rodrigo Killmister

NATURAL BORN KILLERS


Um filme para ficar cravado na sua memória. Se fosse lançado atualmente, nenhum estúdio gostaria de divulgá-lo, devido a tudo que foi filmado.


Oliver Stone consagrou-se ao realizar esse caleidoscópio de violência extrema e gratuita, cuja história foi escrita pelo mestre Quentin Tarantino. Tem fã que gostaria que o 1º roteiro fosse escrito por ele, que é muito melhor que o do Stone. Sendo assim, foi lançado um livro com primeiro roteiro, sob a batuta deTarantino.


Esqueça os filmes que Stone ficou famoso (mesmo ele ter conquistado três Oscars com Platoon, Expresso para a Meia-noite e Nascido em 4 de Julho), pois ele deve ter ficado chapado de tanta droga ilícita, no melhor estilo Peckinpah, ao filmar Assassinos Por Natureza.


Woody Harrelson e Juliette Lewis estão impecáveis nessa epopéia, ao darem suas vidas amaldiçoadas para interpretarem Mickey e Mallory Knox. Esse casal herdou de Bonnie & Clyde o desejo de fazer justiça (ou injustiça?), ao rodarem os Estados Unidos com um único objetivo: matar, matar e matar tudo e todos.


Vendo esse filme dá para sacar que nada mudou em nossa cultura, em pleno século XXI. Porém, não podemos culpar Stone por sua crítica à banalização da mídia, ao abordar a violência. Dá pra ver a cara de nóia dos americanos, tratando o casal como popstars, chegando na calçada da fama, para uma premiére. Bando de ovelhas cegas! Aqui no Brasil não é diferente, pois vemos isso todos os dias em programas, como o do Datena e do Marcelo Rezende ( descanse em paz). Sempre glorificando os bandidos e culpando a justiça.


Várias cenas deixam a gente deliciosamente sentado em nossas poltronas, apreciando a história dos dois pombinhos, desde a satírica comédia sobre como se encontraram, até imagens de desenhos animados, em que Mickey corre para salvar a sua amada, até a parte em que eles matam os pais da Mallory. Rodney Dangerfield faz o pai cafajeste dela.



Michael Madsen e Brad Pitt recusaram o papel de viver Mickey, que foi muito bem representado por Woody. Ótima atuação, que deixaria Malcolm McDowell e Jack Nicholson orgulhosos. Já Juliette enterrou aquela menina assustada em Cabo do Medo, para se firmar na sétima arte, como a boca suja e chiliquenta Mallory. Parece a Tetê Espíndola! (risos)


Tom Sizemore é o tira Jack Scargnetti, especialista em psicóticos. Desprezível, sarcástico e nojento. sua maior ambição é trepar a Mallory. Juliette quebrou o nariz de Tom na cena da cela. Tommy Lee Jones mantém seu jeito durão como o tira implacável de O Fugitivo, para dar corpo como o diretor Dwight McClusky, com aquele bigodinho fino, cabelo feito com gel e terninho. Simplesmente insuportável e sem senso de justiça.


MAS... quem rouba a cena mesmo é Wayne Gale, um repórter de TV que aproveita da sede de sangue do casal para conquistar a audiência americana. Ao realizar a entrevista de Mickey na prisão, teve que interromper o Super Bowl! Fala sério, belíssima interpretação de Robert Downey Jr. Com certeza, o melhor papel de sua carreira, antes de se tornar o Homem de Ferro e Sherlock Holmes, anos depois.


São duas de horas de podridão, mais de 50 mortes, 56 dias de filmagens, 150 cenas cortadas ou refeitas, onze meses de edição, orçado em US$ 50 milhões.


Várias imagens fazem menções ao clássico Laranja Mecânica, como a mãe de Mallory, que possui o cabelo azul. O irmãozinho dela (que é filho do diretor) sai do quarto após o massacre, com o olho esquerdo tatuado, em homenagem ao Alex DeLarge. Já a entrevista de Mickey na prisão foi inspirada na famosa e verídica conversa de Charles Manson para uma TV norte-americana.


Teve parlamentar que proibiu a exibição do filme, pela violência explícita, mesmo sem ter visto o filme. Na Irlanda, foi exibido sem divulgação prévia.


Realmente, o épico coberto de sangue, um dos melhores filmes dos anos 90. Juntamente com o magnus opus Pulp Fiction, Assassinos Por Natureza deveria esta na prateleira da seção de comédia. Mesmo que a crítica não dê atenção.






Nenhum comentário:

Postar um comentário